Fique por dentro

Siga nosso Twitter

Acesse nosso canal

Junte-se a nós no Facebook

Região de Abrolhos abriga o maior banco de rodolitos mundial

Os bancos de algas coralíneas cobrem quase 21 mil quilômetros quadrados do Banco dos Abrolhos e são responsáveis por 5% da produção mundial de carbonato de cálcio

Brasil / Arlington, VA, 25 de abril de 2012

Estudo realizado durante dois anos na plataforma continental no Sul da Bahia e Norte do Espírito Santo confirmou que o Banco dos Abrolhos abriga o maior banco contínuo de rodolitos do planeta - 20.900 km² -, o que corresponde a três vezes e meia o tamanho do Distrito Federal.

O estudo, conduzido por cientistas de diversas instituições que compõem a Rede Abrolhos, uma das iniciativas do Sistema Nacional de Pesquisas em Biodiversidade (SISBIOTA) e da Conservação Internacional, foi publicado na última sexta-feira, 20, na conceituada revista científica PLoS ONE. Com a utilização de sonar de varredura lateral, veículos submarinos de operação remota (VORs) e equipamentos de mergulho, os pesquisadores avaliaram a distribuição, extensão, composição e estrutura do banco de rodolitos no Banco dos Abrolhos.
Veja álbum: Rodolitos
Algumas vezes confundido com os corais, os rodolitos possuem forma arredondada e são formados por várias camadas, principalmente de algas calcárias incrustrantes. 
"Encontrar o maior banco de rodolitos do mundo no Banco dos Abrolhos, no Brasil, evidencia a extrema importância desta parte do Oceano Atlântico," disse Rodrigo Moura, Professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro e co-autor do estudo. "Os rodolitos desempenham papel fundamental em um ecossistema marinho saudável, fornecendo habitat primário que pode abrigar diversas e abundantes comunidades de peixes e invertebrados de elevado valor comercial."
Os rodolitos constituem-se de estruturas calcárias (CaCO3 – carbonato de cálcio) bioconstruídas, o que lhes conferem uma estrutura rígida, complexa, que servem de habitats para outras espécies. Os pesquisadores também estimam que os rodolitos do Banco dos Abrolhos são responsáveis por cerca de 5% da produção mundial de carbonato de cálcio (mineral que forma a carapaça de moluscos e crustáceos e o esqueleto dos corais).
 "Bancos de rodolitos como estes são gigantescas biofábricas de carbonato de cálcio e podem desempenhar um papel significativo na regulação do clima global," disse Les Kaufman, cientista marinho sênior da Conservação Internacional. "Mas para entender qual é e quão significativo pode ser o seu papel, temos que aprender mais sobre eles."
 Os bancos de rodolitos enfrentam uma série de ameaças, incluindo a acidificação dos oceanos, o aumento da sedimentação de origem costeira e, em grande escala, a dragagem e a mineração. Embora a acidificação dos oceanos não possa ser controlada em uma escala regional, as outras ameaças aos bancos de rodolitos de Abrolhos merecem atenção e podem ser controladas localmente.
O Banco dos Abrolhos se estende por uma área de 46,000 quilômetros quadrados, onde a Conservação Internacional trabalha com organizações governamentais e comunitárias brasileiras para a conservação e gestão dos recursos marinhos.
“Com base na vulnerabilidade relativamente elevada das algas coralíneas à acidificação dos oceanos, é muito provável que os bancos dos rodolitos sofrerão uma profunda reestruturação nas próximas décadas," disse o autor do estudo, Gilberto M. Amado-Filho, pesquisador do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro. "Considerando a produção de cerca de 25 milhões de toneladas de carbonato de cálcio por ano, a proteção e o estudo continuado da plataforma do Banco dos Abrolhos devem ser priorizados."
Além dos bancos de rodolitos, o estudo revelou também enormes áreas de fundo do mar cobertas por algas, depressões no assoalho marinho (“buracas”) povoadas por densas populações de peixes e recifes compostos por corais e algas coralíneas.  Essas novas descobertas redimensionam áreas marinhas de elevada importância ecológica, como o megahabitat rodolito, ressaltando a importância do Banco dos Abrolhos no contexto da biodiversidade e equilíbrio ecológico da porção sul do Oceano Atlântico. 
Resumo adaptado do estudo, em português
Veja o artigo publicado, em inglês
Sobre a Rede Abrolhos
A Rede Abrolhos é uma iniciativa financiada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) no âmbito do Sistema Nacional de Pesquisa em Biodiversidade (SISBIOTA), coordenada por pesquisadores da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro (JBRJ), Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Estadual de Maringá (UEM).
Sobre a Conservação Internacional
A Conservação Internacional (CI) é uma organização privada, sem fins lucrativos, fundada em 1987 com o objetivo de promover o bem-estar humano fortalecendo a sociedade no cuidado responsável e sustentável para com a natureza – nossa biodiversidade global – amparada em uma base sólida de ciência, parcerias e experiências de campo. Como uma organização não governamental (ONG) global, a CI atua em mais de 40 países, distribuídos por quatro continentes. Em 1988, iniciou seus primeiros projetos no Brasil e, em 1990, se estabeleceu como uma ONG nacional. Possui escritórios em Belo Horizonte-MG, Belém-PA, Brasília-DF e Rio de Janeiro-RJ, além de unidades avançadas em Campo Grande-MS e Caravelas-BA. Para mais informações sobre os programas da CI no Brasil, visite www.conservacao.org. ou nossa conta no twitter @CIBrasil e facebook http://www.facebook.com/#!/pages/Conserva%C3%A7%C3%A3o-Internacional-CI-Brasil/231538486861792
Para mais informações:
Ana Cíntia Guazzelli, Coordenadora de Comunicação do Programa Marinho, da CI-Brasil
Telefone: + 55 21 2173-6373 / celular: + 55 21 7913-7785 / email: a.guazzelli@conservacao.org 
Kevin Connor, Gerente de Mídia, Conservação Internacional 
Telefone: +1 703 341 2405/ celular: +1 571 232 0455/ email: kconnor@conservation.org 

Rua Tenente Renato César, 78 – Cidade Jardim – CEP 30380-110

Belo Horizonte – MG – Brasil – Tel.: [31] 3261.3889

©2003 Conservation International do Brasil / Aviso Legal / Política de Privacidade