Fique por dentro

Siga nosso Twitter

Acesse nosso canal

Junte-se a nós no Facebook

Publicação traça perfil inédito de aves migratórias no Brasil

Produzida pela Conservação Internacional, publicação é resultado de esforço pioneiro para sintetizar informações sobre a ocorrência desse grupo no país; livro visa apoiar a elaboração de estratégias para sua conservação

Belém, PA, 01 de dezembro de 2011

O Brasil tem mais de 1.800 espécies de aves registradas em seu território, o que representa 18% de todas as aves do mundo. No entanto, nem todas essas espécies se reproduzem no país, algumas usam áreas do território brasileiro apenas durante seu período não-reprodutivo, como, por exemplo, as espécies migrantes neárticas, que são aquelas que se reproduzem no hemisfério norte, mas passam o período não-reprodutivo no hemisfério sul. 

O Brasil é conhecido por ter um papel importante no ciclo de vida dessas espécies, mas qual seria exatamente esse papel? Que ações deveriam ser tomadas para a conservação desses animais? Pensando nisso, a Conservação Internacional (CI-Brasil), com o apoio do Serviço de Pesca e Fauna dos Estados Unidos (em inglês, US Fish and Wildlife Service) iniciou um esforço inédito no Brasil ao apoiar trabalhos de especialistas de todas as regiões do país, consolidando informações sobre mais de 80 espécies de aves migratórias em nosso território. O resultado dessas pesquisas foi reunido na publicação “Conservação de Aves Migratórias Neárticas no Brasil” que apresenta 74 trabalhos de 90 especialistas das cinco regiões do país. 

O trabalho de coleta de informações durou mais de três anos e se iniciou com uma consulta à comunidade ornitológica brasileira, além de pesquisadores que já desenvolviam estudos em áreas com ocorrência confirmada de espécies migratórias. “Foi definida uma lista preliminar das espécies que poderiam ser classificadas como migrantes neárticas . Depois, foi estruturado um modelo básico para orientar a forma como as informações sobre cada uma das áreas deveriam ser apresentadas. Por fim, foi lançado um convite aberto para que toda a comunidade de ornitólogos brasileiros pudesse contribuir com artigos de síntese sobre as áreas usadas pelas aves migrantes neárticas”, explica Renata Valente, bióloga e co-organizadora da publicação. Muitos pesquisadores aproveitaram a oportunidade para consolidar pesquisas já realizadas e publicar material inédito. “Este é um trabalho pioneiro por reunir e sintetizar em uma única publicação dados e informações sobre a ocorrência de aves migratórias neárticas no Brasil. Portanto, é um passo importante para organizar o conhecimento atual sobre a distribuição e a conservação dessas aves no país”, avalia Renata. Além de Renata, o grupo de organizadores inclui os ornitólogos José Maria Cardoso da Silva, vice-presidente executivo da Conservação Internacional; Fernando Costa Straube, diretor-técnico da Hori Consultoria Ambiental e João Luiz Xavier do Nascimento, coordenador do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). O objetivo deles ao conceber o livro foi gerar o primeiro catálogo de áreas importantes para as aves migratórias neárticas no Brasil e suprir lacunas do conhecimento sobre essas espécies no país.

O trabalho foi realizado por meio de uma parceria entre a Conservação Internacional e o Serviço de Pesca e Fauna dos Estados Unidos, através do programa de Subsídio Financeiro para a Lei de Conservação de Aves Migratórias Neotropicais. Segundo Guy B. Folks, do Serviço de Pesca e Fauna dos Estados Unidos, o rápido declínio das populações de algumas espécies de aves migratórias faz com que ações de conservação sejam urgentes. “O caso do maçarico-de-papo-vermelho (Calidris canutus rufa) é um exemplo; esta espécie realiza uma das mais longas migrações, partindo do Ártico e indo até o sul da América do Sul, passando pelo Brasil, e desde os anos 90 tem tido uma redução drástica em sua população”, revela Folks. Outras espécies que sofrem a mesma ameaça incluem o vira-pedras (Arenaria interpres) e o maçarico-rasteirinho (Calidris pusilla).
“Esse foi um esforço importante da comunidade científica brasileira e as informações consolidadas nesse volume poderão servir como base para na elaboração de estratégias para a conservação desse grupo no país”, explica Patrícia Baião, diretora do Programa Amazônia da Conservação Internacional.  
Um dos destaques da publicação é um guia fotográfico de todas as espécies citadas, além de mapas de ocorrências em todo o Brasil. A publicação impressa está sendo distribuída para universidades, centro de pesquisas, autoridades de área ambiental e a versão eletrônica integral está disponível para download no site http://www.conservacao.org/publicacoes/aves_migratorias.php
 
Fotos e entrevistas estão disponíveis mediante solicitação na Conservação Internacional.
 
 Informações para a imprensa:
  Fernando Segtowick Cardoso - (91) 3225-3848 – (91) 8135- 6644
  f.cardoso@conservacao.org
  Gabriella Michelloti – (61) 3226 2491 – (31) 8407 7125
  g.michelloti@conservacao.org
 João Paulo Mariano  - (61) 3226 2491 - Ramal: 120
 j.souza@conservacao.org
 
Sobre a Conservação Internacional (CI-Brasil)
É uma organização privada, sem fins lucrativos, fundada em 1987, com o objetivo de promover o bem-estar humano fortalecendo a sociedade no cuidado responsável e sustentável para com a natureza – nossa biodiversidade global -, amparada em uma base sólida de ciência, parcerias e experiências de campo. Como uma organização não governamental (ONG) global, a CI atua em mais de 40 países, distribuídos por quatro continentes. Em 1988, iniciou seus primeiros projetos no Brasil e, em 1990, se estabeleceu como uma ONG nacional. Possui escritórios em Belo Horizonte-MG, Belém-PA, Brasília-DF e Rio de Janeiro-RJ, além de unidades avançadas em Campo Grande-MS e Caravelas-BA. Para mais informações sobre os programas da CI no Brasil, visite www.conservacao.org ou siga-nos no twitter @CIBrasil e facebook http://www.facebook.com/pages/Conserva%C3%A7%C3%A3o-Internacional-CI-Brasil/231538486861792

Rua Tenente Renato César, 78 – Cidade Jardim – CEP 30380-110

Belo Horizonte – MG – Brasil – Tel.: [31] 3261.3889

©2003 Conservation International do Brasil / Aviso Legal / Política de Privacidade